Páginas

20 de dezembro de 2016

Um desabafo de uma bipolar

Como é difícil falar de um problema que a gente tem. Eu por certa vergonha ou medo do que os outros vão pensar de mim. 
Sim pois ter uma doença (pois é uma doença mental) como o Transtorno Bipolar me deixa a mercê de tantas coisas que eu não gostaria...
Antes de mais nada bipolar não é só uma hora tô de boa tô feliz, depois fico triste, ou então fico brava ou pior como algumas pessoas insistem em afirmar que mudamos de opinião muito rápido. NÃO.
O transtorno bipolar (vou falar o meu caso) tem dias que a alegria nem vem, acordo melancólica, uma tristeza, ai no meio da manhã meus momentos vão melhorando, fico cantarolando músicas, vejo o Facebook, falo com alguns amigos, meio dia é o pico, tô bem, aí saio pra trabalhar, melhora muito, por que é que parece que me mantém em sanidade, eu amo o que eu faço mesmo, ai é hora de fechar o expediente, tranco tudo, e muitas vezes saio chorando, de soluçar, ouço algumas piadinhas infames, do tipo ah ele vai voltar, ou pior daquele que sempre considerei amigos "ah ela quer chamar a atenção" mas a pior de todas é "Ah é só uma fase." NÃO, não tenho controle sobre isso, tem momentos de picos de alegria que eu digo hoje nada estraga meu dia, em minutos estou chorando e nem sempre de tristeza e sim de uma raiva que não consigo explicar de onde vem.
Então um dia eu tava assim bem, feliz, cheguei em casa e tive uma breve discussão com a minha mãe, foi um dos momentos mais torturantes pra mim, parte de mim (AINDA BEM QUE EVITEI DE ALGUMA FORMA) simplesmente me cegou eu ia agredir ela, mas em segundos eu vi uma faca e quando dei por mim tinha três cortes no meu antebraço, não foram fundos, mas difícil é fazer alguém entender que toda aquela raiva se dissipou, não doeu, apenas vi o sangue escorrer um pouco, e mandei uma mensagem para o meu melhor amigo, que veio até mim, apenas chorei tanto até cansar, prometendo pra ele que ia ver um médico. E fui, iam apenas marcar uma data, mas mostrei pras enfermeiras e me passaram para a doutora, desabei, chorei, expliquei minha raiva, minhas ansiedades e paranoias, revoltas e em contrapartida ela me pediu exames e passou um remédio, eu até que ajuda, mas como disse antes tem dia que a alegria não vem. Claro que juntando isso com a minha vida agitada, correria preocupações.
Mas sabem o que mais me dói? É ter na tua vida alguém em especial que não entende tua situação, não busca entender o que tu tem, ou passa, simplesmente tende a afirmar que é o chamar a atenção, é ah tem que ser forte, ah tá na hora de mudar, mas não quer calçar os teus chinelos ou estender a mão ou parar de dizer vai ficar tudo bem, é só uma fase, NÃO É! É um transtorno que é constante tratamento, permanente acompanhamento, acompanhado de uma depressão, ou muitas vezes euforia.
Agora o por que eu resolvi escrever esse texto, não sei, apenas um desabafo que me aliviou muito do que a intensidade de sentimento que tenho aqui dentro...Apenas seria bom ter com quem conversar, um conhecido psicólogo apenas acabou de me dizer algo assim: "Eu hein, Anime-se! Não pode ficar assim" e eu respondi, como se eu tivesse controle disso, e ele apenas respondeu ESFORÇO!
Nossa como amigo um esforço!  Aliás pelo jeito nem tão amigo assim... Mas como profissional, nem um tipo procure um profissional sei lá.
Só sei que é muita raiva acumulada que talvez consiga extravasar escrevendo aqui!!

Se tem alguém que lê.. obrigada pela visita

Um comentário :

Xiko do Couto disse...

Sei bem como é. Sofro de depressão e o que mais tem é gente falando o que não sabe.